Qualidade da Água

Qualidade da Água

Bem Precioso

Distribuição

Tratamento de esgoto

Cuidados ao escolher água de consumo

Qual água você consome?  

Contaminação

A concessionária de tratamento de água é confiável?

Água engarrafada é confiável?

Excesso de sais minerais 

Riscos água contaminada 

Água poluída mata mais que violência no mundo, diz ONU.

Fonte: g1.globo.com 22/03/10

Anualmente morrem 1,8 milhão de crianças com menos de 5 anos. Cerca de 2 bilhões de toneladas de água são sujas diariamente.A população mundial está poluindo os rios e oceanos com o despejo de milhões de toneladas de resíduos sólidos por dia, envenenando a vida marinha e espalhando doenças que matam milhões de crianças todo ano, disse a ONU nesta segunda-feira (22)."A quantidade de água suja significa que mais pessoas morrem hoje por causa da água poluída e contaminada do que por todas as formas de violência, inclusive as guerras", disse o Programa do Meio Ambiente das Nações Unidas (Unep, na sigla em inglês).Em um relatório intitulado "Água Doente", lançado para o Dia Mundial da Água nesta segunda-feira, o Unep afirmou que dois milhões de toneladas de resíduos, que contaminam cerca de dois bilhões de toneladas de água diariamente, causaram gigantescas "zonas mortas", sufocando recifes de corais e peixes.O resíduo é composto principalmente de esgoto, poluição industrial e pesticida agrícola e resíduos animais.Segundo o relatório, a falta de água limpa mata 1,8 milhão de crianças com menos de 5 anos de idade anualmente. Grande parte do despejo de resíduos acontece nos países em desenvolvimento, que lançam 90 por cento da água de esgoto sem tratamento.A diarreia, principalmente causada pela água suja, mata cerca de 2,2 milhões de pessoas ao ano, segundo o relatório, e "mais de metade dos leitos de hospital no mundo é ocupada por pessoas com doenças ligadas à água contaminada."O relatório recomenda sistemas de reciclagem de água e projetos multimilionários para o tratamento de esgoto.Também sugere a proteção de áreas de terras úmidas, que agem como processadores naturais do esgoto, e o uso de dejetos animais como fertilizantes."Se o mundo pretende... sobreviver em um planeta de seis bilhões de pessoas, caminhando para mais de nove bilhões até 2050, precisamos nos tornar mais inteligentes sobre a administração de água de esgoto", disse o diretor da Unep, Achim Steiner. "O esgoto está literalmente matando pessoas".

A Inovação dos filtros de água.

Fonte: Folha de Londrina 06/06/2009. Curitiba-PR

A compra de um filtro ou purificador de água pode ser uma missão das mais complicadas devido a quantidade de modelos e variedades de preços entre eles. Os aparelhos mais conhecidos são os direcionados para o consumo humano, mas há modelos exclusivos para a casa como em caixas d´agua, piscinas e chuveiros. O mercado nacional oferece produtos com bom custo benefício.O filtro é o equipamento que retêm partículas sólidas da água. As velas (tubos filtradores) utilizadas, frequentemente, são feitas de polipropileno e recheadas com pouca ou nenhuma quantidade de carvão ativado. Os purificadores são mais potentes. As velas são totalmente preenchidas de carvão ativado que elemina, além de sólidos, cloro (aplicado nas estações de tratamento de água) e microorganismos. " a água de beber não deve conter cloro para o bem da saúde"., afirma a nutricionista e personal diet Michele Guerra.O especialista em equipamentos de filtragem Balta - Mair de Oliveira, da FILTROS & FILTROS® esclarece que para efetuar uma boa compra, o consumidor deve ficar atento ao custo-beneficio do aparelho."um filtro de qualidade gira em torno de R$ 350. A manutenção custa em média um terço do valor do aparelho e deve ser feita, no mínimo, anualmente. Em algumas marcas chega a quase o preço de um novo, alerta. A dica de Oliveira é verificar se o sistema de filtragem é de boa qualidade e se os custos de manutenção são viáveis para o bolso.A designer Katiane Schliper há três anos trocou o filtro de água acoplado á torneira por um de parede na cozinha da sua casa. Na época da compra, ficou em dúvida que modelo escolher. " Como somos em cinco e o consumo é grande, comprar água engarrafada não seria um bom negócio, então trocamos por um de melhor qualidade e que coubesse no orçamento" conta. O aparelho tem o sistema de retrolavagem um recurso de autolimpeza que ela achou interessante para diminuir os custos com manutenção e manter as velas mais limpas.Para as residências, Oliveira indica os modelos acoplados á torneira ( com uma vela ), purificadores de parede ( com duas velas ), o tubular walltop ( a vela de carvão ativado á a maior do mercado, chamada de cartucho), purificadores embutidos na pia com torneira própria ( dupla filtragem ) e o filtro " water filter " instalado direto no bocal da torneira. Aparelhos com retrolavagem têm uma manutenção mais cara em relação àqueles a somente com cartucho, ensina.Quanto aos cartuchos, o especialista diz que quanto maior ele for, melhor a filtragem." O cartucho com carvão ativado compacto retém melhor as impurezas em comparação ao carvão granulado", analisa.

Água clorada aumenta risco de defeitos de nascimento, diz estudo.

Fonte: BBC - 03/06/2008 às 10h35m

Gestantes que consomem água clorada têm um risco maior de dar à luz bebês com problemas no coração, lábio leporino e defeitos no cérebro, sugere um estudo realizado com crianças em Taiwan.De acordo com os pesquisadores da Universidade de Birmingham, na Grã-Bretanha, a exposição pré-natal aos derivados do cloro, conhecidos como trialometanos e que se formam no contato com a água, pode dobrar as chances de crianças terem defeitos de nascimento. Para chegar aos resultados, os cientistas analisaram 400 mil crianças chinesas e compararam o nível de exposição aos derivados do cloro com a presença de 11 dos defeitos de nascimento mais comuns. Segundo o estudo, a exposição a 20 microgramas de trialometano por litro de água provocou um aumento de 50% a 100% nas chances de as crianças nascerem com três defeitos considerados comuns: lábios leporinos, anencefalia (cérebro nasce sem o encéfalo) e septo ventricular (furos no coração). Mecanismos Apesar de terem analisado água clorada com diferentes concentrações de cloro (alta, média e baixa), os cientistas não encontraram nenhuma relação entre o nível de exposição e a prevalência de um defeito específico. Entretanto, os pesquisadores afirmam que a exposição maior do que 5ug/L aumenta de maneira significativa os defeitos mencionados no estudo. "Os mecanismos biológicos que fazem os derivados do cloro causarem defeitos nos bebês ainda são desconhecidos", explica Jouni Jaakkola, principal autor do estudo. "No entanto, nossas descobertas não apenas reforçam a teoria de que a água clorada pode causar defeitos de nascimento, mas sugere que a exposição aos derivados do cloro pode ser responsável por defeitos comuns e específicos", afirmou. De acordo com Jaakkola, apesar dos benefícios da clorificação da água, é necessário que mais pesquisas sejam desenvolvidas para avaliar os efeitos colaterais desse processo. A pesquisa sobre o impacto da exposição ao cloro na gravidez está publicada na edição de junho da revista científica Journal of Environmental Health. Para mais notícias, visite o site da BBC Brasil.

Garrafões podem causar riscos de contaminação à água mineral.

Fonte: Gazeta do Povo, PR - 25/09/2002

O processo de distribuição da água mineral e problemas apresentados pelos garrafões de 20 litros, que acondicionam o produto, representam um risco real de contaminação da mercadoria. O alerta foi levantado ontem, durante o 1.º Seminário de Qualidade na Produção e Distribuição de águas Minerais, realizado em Almirante Tamandaré, região metropolitana de Curitiba. Participaram do encontro representantes do poder público, dos empresários do setor e de órgãos de defesa do consumidor. O seminário foi promovido pela prefeitura do município, que tem quatro engarrafadoras e um grande potencial de exploração do recurso. O secretário de Saúde de Almirante Tamandaré, José Carlos de Abreu, disse que a vigilância sanitária municipal recebe denúncias pontuais de problemas na qualidade da água mineral (alteração do gosto, da cor). No entanto, embora ainda não haja grandes problemas sanitários com relação ao produto, a preocupação do município é eliminar os riscos. O consultor técnico do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Sezifredo Paz, afirmou que uma das reclamações mais freqüentes são os vazamentos nos garrafões de água mineral. Segundo ele, se não há vedação adequada da embalagem, tanto a água pode sair como contaminantes podem entrar no garrafão. A empresária Maria Alice Carneiro, proprietária da engarrafadora Timbu, uma das maiores da região metropolitana, disse que outro problema é o respeito à vida útil dos garrafões. Segundo ela, os fabricantes informam que os galões podem ser usados de 6 meses a 1 ano. Vencido o prazo, as embalagens ficam mais suscetíveis à entrada de agentes contaminantes. No entanto, não há controle algum quanto ao reuso das embalagens, que podem ficar anos no mercado. "O problema dos garrafões sai do controle da empresa", disse ela. A Timbu, por exemplo, engarrafa galões que são levados pelas distribuidoras. A indústria já recebeu de volta embalagens com cheiro de combustível e muito sujas. Outro risco está na distribuição e nos pontos de venda. Os garrafões não podem ficar expostos ao sol por muito tempo. A empresária Maria Alice relatou que a água mineral sob intensa luz solar, por três dias seguidos, pode ficar esverdeada, em virtude da proliferação de algas. Também não é recomendável que os vasilhames fiquem próximos a botijões de gás. O produto pode migrar e entrar no garrafão através das falhas de vedação, causando alteração do sabor da água. No entanto, essas duas situações são extremamente comuns, em postos de gasolina. Nas casas dos consumidores e nas empresas, o risco de contaminação muitas vezes ocorre pela falta de cuidados com a limpeza dos bebedouros. No seminário surgiu a idéia de que os fabricantes, reunidos em uma associação, possam promover campanhas educativas para os distribuidores e para a população. Outra proposta é a de que seja promulgada no Paraná uma lei que estabeleça normas de segurança para a distribuição do produto, a exemplo da que já existe em São Paulo.

Água britânica contém traços de Prozac.

Fonte: www.bbc.co.uk - 08/08/2004

Prozac é um dos anti-depressivos mais popularesTraços do anti-depressivo Prozac podem ser encontrados na água bebida na Grã-Bretanha, segundo um estudo. O relatório da Agência para o Meio Ambiente sugere que tanta gente toma o remédio que resíduos estão se concentrando em rios e na água encontrada em solo britânico. Uma reportagem publicada pelo jornal Observer neste domingo afirma que a agência do governo que monitora o meio-ambiente discutiu o impacto na saúde humana. Um porta-voz da Inspetoria de Água Potável (DWI na sigla em inglês) disse que muito provavelmente o Prozac encontrado está extremamente diluído."Alarmante"O estudo da Agência do Meio Ambiente concluiu que o Prozac encontrado na água pode ser potencialmente tóxico e é uma "potencial preocupação".O jornal afirma que ambientalistas estão pedindo uma investigação urgente sobre o assunto.Segundo o jornal, o porta-voz para meio-ambiente do Partido Liberal Democrata, da oposição, o parlamentar Norman Baker, disse que "a princípio parece um caso de medicação maciça disfarçada para um público que não suspeita de nada".Ele teria dito que "é alarmante que ninguém tenha monitorado os níveis de Prozac ou resíduos de outros medicamentos na água potável britânica."Aumento de receitasA DWI declarou que é pouco provável que o Prozac encontrado na água represente algum risco, porque está "muito diluído".O jornal afirma que a descoberta aumenta a preocupação de que o remédio esteja sendo amplamente receitado pelos médicos.Entre 1991 e 2001, o número de receitas médicas para anti-depressivos aumentou de 9 milhões por ano para 24 milhões por ano, informa o jornal.Especialistas afirmam que o anti-depressivo chega aos rios e ao sistema de água através do tratamento dos esgotos.Não se sabe qual a quantidade exata de Prozac encontrada na água britânica.

Água mineral sob suspeita: estudo apura que ela contém vírus que atinge o estômago.

Fonte: www.prometeu.com.br - 11/04/2002

A confiança cega na água mineral, teoricamente a mais segura para o consumo humano, sofreu um abalo com um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Berna (Suíça). O trabalho analisou 29 diferentes tipos europeus de água mineral engarrafada e concluiu que em 11 deles estava presente o vírus responsável pela maioria dos problemas de desarranjo estomacal em seres humanos, o NLV (norwalk-like virus). O pesquisador Christian Beuret, da Universidade de Berna e da Autoridade de Controle Alimentar de Solothurn (Suíça), que coordenou a pesquisa, acredita que em algum momento, no local onde surge ou durante o engarrafamento, a água mineral teve algum contato com fezes humanas. Os resultados da pesquisa do laboratório foram confirmados por um laboratório privado independente.Beuret não apura em seu estudo o quanto o consumo dos exemplares de garrafas de água analisados poderiam ser nocivos a seres humanos, deixando suspensa a possibilidade de que sua descoberta possa não ter efeito algum na saúde humana. No meio científico há divergências. Enquanto alguns estudos já encontraram exemplares de NLV em humanos adultos saudáveis, há estudos que indicam que um baixo nível de incidência do vírus NLV na água mineral é capaz de provocar gastrenterite (inflamação simultânea do estômago e dos intestinos) em pessoas mais idosas. De qualquer forma, o trabalho deixa a suspeita de que possa estar havendo algum problema na higienização do produto. Empresas européias do setor de engarrafamento e venda de água questionaram o estudo afirmando que a contaminação possa ter ocorrido durante as próprias análises do material feitas pelos pesquisadores.